sobre_gn_1.png

Notícias

Compagas alerta para a utilização correta dos aparelhos a fim de evitar acidentes com monóxido de carbono

 O inverno chegou e deixar a casa quentinha e aconchegante pode se tornar um desafio. Por isso, durante a estação, o trabalho dos equipamentos a gás aumenta - afinal, nada melhor do que tomar um banho quentinho, relaxar em frente à lareira ou usar aquecedores para driblar o frio. Mas é preciso ter um cuidado redobrado com a instalação e manutenção destes aparelhos, principalmente durante os dias em que as temperaturas estão mais baixas.

Em junho, Compagas conquista marca de 1.000 prédios emais de 45 mil unidades residenciais com o gás natural

Llum é o 1.000º edifício atendido pela Compagas / Foto: Laguna

 

Conforto, segurança, praticidade, funcionalidade, lazer e sustentabilidade. Hoje, a preocupação com o meio ambiente e com os recursos naturais deixou de ser apenas uma tendência e se incorporou ao conceito de morar bem. Curitiba se destaca neste cenário - a capital paranaense concentra o maior número de edificações com a certificação LEED (concedida para construções sustentáveis) no Sul do Brasil, segundo dados do Green Building Council (GBC).

Dentre os itens que tornam um edifício “verde” está a eficiência no uso de energia e a escolha de soluções e tecnologias econômicas e que reduzem o impacto ambiental. E é por isso que um número cada vez maior de construções está optando pelo gás natural canalizado.  Em junho, a Companhia Paranaense de Gás (Compagas) superou a marca dos 1.000 edifícios que utilizam o combustível, o que corresponde a mais de 45 mil unidades domiciliares com o gás canalizado. "O gás natural é um combustível mais econômico e sustentável, que vai ao encontro do que o consumidor, cada vez mais exigente e comprometido com o futuro do planeta, procura", revela Rafael Longo, diretor técnico-comercial da Compagas. A Companhia atua no segmento residencial desde 2002, com a ligação do Edifício Millenium, e a meta é, até o final do ano, chegar a 47 mil unidades residenciais atendidas pelo gás canalizado.

Rafael Longo é o novo diretor técnico-comercial da Companhia Paranaense de Gás (Compagas). Ele assume o cargo a partir desta segunda-feira, 17/06.

Com formação em Administração e Direito e especialização em Economia e Gestão em Energia pela COPPEAD/IE-UFRJ, Longo já exerceu atividades na área de comercialização e logística na Petrobras, com atuação na área de Negócio & Energia e tratou, especialmente, de atividades relacionadas a suprimento de Gás Natural. Na SCGás exerceu, entre julho de 2015 e maio deste ano, a Diretoria Técnico-Comercial.

Longo passa a ocupar a diretoria da Compagas ao lado de Eduardo Buschle, Diretor de Administração e Finanças, e de Rafael Lamastra, Diretor-Presidente da empresa.

Companhia irá fornecer gás canalizado para o Jockey Plaza Shopping



 
São cerca de 200 mil metros quadrados que irão abrigar mais de 350 operações. Com inauguração prevista para o dia 05 de junho, o Jockey Plaza Shopping, localizado no Tarumã, será o maior centro de compras e entretenimento da capital paranaense. E o novo mall escolheu como fonte energética o gás natural, um combustível mais seguro, sustentável e econômico. "Estamos muito felizes por um empreendimento deste porte, que traz novos investimentos e empregos para a população, ter optado pelo gás canalizado como matriz energética", revela Rafael Lamastra, diretor presidente da Companhia Paranaense de Gás - Compagas.

Objetivo da Companhia é estender o atendimento ao mercado urbano e residencial

 

Um município com mais de 348 mil habitantes e que está entre as 100 cidades do Brasil com maior valor do Produto Interno Bruto (PIB). É de olho neste mercado que a Companhia Paranaense de Gás - Compagas iniciou uma ação estratégica com o objetivo de ampliar sua atuação na região, visando aumentar a rede de gás natural para atender ao mercado urbano (residencial e comercial) e industrial. "Estamos preparando uma série de levantamentos sobre o potencial energético de Ponta Grossa, considerando a localização dos consumidores, os combustíveis utilizados e sua competitividade frente ao gás natural, para posteriormente avaliarmos a demanda e aumentarmos a rede na região", explica Rafael Lamastra, diretor-presidente da Compagas.

Compartilhar