sobre_gn_1.png

Notícias

A Companhia Paranaense de Gás (Compagas) orienta moradores e proprietários de estabelecimentos que utilizam o gás natural a ficarem atentos com o furto de estações - equipamentos responsáveis pela medição do consumo e por reduzirem a pressão do gás até seu destino final. Além do risco da interrupção no fornecimento, há também o perigo de vazamentos. "Estes equipamentos só podem ser manuseados por técnicos da Compagas. Em casos de furto, podem ocorrer vazamentos, risco de chama e até mesmo eventual explosão", explica Glauber Cordeiro, engenheiro de operações da Compagas.

Há também o transtorno direto aos clientes, que podem ficar desabastecidos até a substituição dos equipamentos. A orientação é que, nestes casos, a população entre em contato com a Compagas pelo 0800 643 8383, para que técnicos da Companhia executem todos os procedimentos necessários para garantir a segurança e o retorno no fornecimento de gás natural.

COMPANHIA PARANAENSE DE GÁS – COMPAGAS

Estabelecimentos farão uso do gás natural para aquecimento e cocção de alimentos.

 

(Curitiba, 07 de junho de 2018) Restaurante Café do Monge e mais dois edifícios são os novos contratos firmados pela equipe de vendas da Compagas, que somam mais 75 unidades atendidas com gás natural. Os edifícios Torre Sete de Setembro e Solar das Cerejeiras, localizados em Curitiba, contarão com o combustível canalizado para atividades de cocção e aquecimento nas unidades domiciliares e nas áreas comuns dos empreendimentos, como em salões de festas, zeladorias e churrasqueiras. O restaurante também contará com o combustível para cocção de alimentos.

A Companhia Paranaense de Gás (Compagas) informa que o fornecimento de gás natural para clientes atendidos pela rede de distribuição não serão afetados devido à greve dos caminhoneiros. "O gás natural é distribuído por meio de tubulações subterrâneas, de forma segura e ininterrupta. Portanto, não há risco dos consumidores ficarem sem o combustível", explica Luiz Malucelli Neto, diretor-presidente da Compagas.

O fornecimento de gás natural pode sofrer interrupções apenas em locais atendidos por meio do Gás Natural Comprimido (GNC) e pelo Gás Natural Liquefeito (GNL) – Curitiba, Colombo, Paranaguá, São Mateus do Sul e Londrina. Isso porque, nestes municípios, o combustível chega por meio de caminhões até as estações de consumo. No total, 6 clientes industriais e 4 postos de combustível que revendem o Gás Natural Veicular (GNV) podem ter a descontinuidade no abastecimento. “Destaca-se que estas operações mencionadas representam menos de 5% do volume total distribuído pela Compagas e que as demais, realizadas pela rede de distribuição de gás natural não sofrem impactos em decorrência da greve”, finaliza Malucelli.

Atenciosamente,
COMPANHIA PARANAENSE DE GÁS – COMPAGAS

Além da economia, o GNV é fornecido de forma contínua, evitando o desabastecimento do mercado

 

(Curitiba, maio de 2018) Com a alta no preço dos combustíveis e a instabilidade do fornecimento quem tem o veículo convertido para o Gás Natural Veicular (GNV) não se preocupa na hora de abastecer. Além da economia de mais de 50%, o abastecimento com GNV é garantido. “O gás natural é distribuído por meio de tubulações subterrâneas, de forma segura e ininterrupta. Portanto, não há risco de os consumidores ficarem sem o combustível nas cidades atendidas pela rede de distribuição", explica Luiz Malucelli Neto, diretor-presidente da Compagas.

Empresas estão instaladas em Curitiba, Quatro Barras e Ponta Grossa

 

(Curitiba, 22 de maio de 2018) Três indústrias iniciaram o consumo de gás natural no Paraná. Os novos clientes são a Bracktpar, instalada em Curitiba, a Treves do Brasil, localizada em Quatro Barras, e a Yara Brasil Fertilizantes, com planta em Ponta Grossa. Juntos, estes clientes, utilizarão mais de 2,5 mil m³/dia de gás natural para suas operações industriais.